Interações Medicamentosas

As nuances das interações medicamentosas com a cannabis medicinal. Informações sobre as potenciais influências nos tratamentos convencionais, especialmente com medicamentos metabolizados pelo citocromo P450. Como minimizar riscos, garantindo a segurança e eficácia dos pacientes.

Nas últimas décadas, houve um aumento no interesse pelo uso de produtos à base de cannabis no tratamento de várias condições de saúde. Em muitos casos, esses produtos são utilizados em conjunto com tratamentos medicamentosos convencionais. O potencial para interações medicamentosas (IMs) aumenta nesse cenário de polifarmácia. É importante lembrar que as IMs são uma das principais causas de reações adversas a medicamentos.

A cannabis medicinal tem o potencial de interagir com outros medicamentos, e é essencial estar ciente dessas interações para garantir a segurança do paciente e otimizar os resultados do tratamento. Vários estudos recentes exploraram as interações medicamentosas dos canabinoides, trazendo insights relevantes para os profissionais de saúde que trabalham com cannabis.

A interação mais significativa ocorre com medicamentos metabolizados pelo sistema enzimático do citocromo P450 (CYP). Ao influenciar esse sistema, pode-se alterar as concentrações e efeitos dos medicamentos. 

Mais especificamente, o canabidiol  (CBD) afeta alvos biológicos comuns implicados no metabolismo (por exemplo, CYP3A4/2C19) e na excreção (por exemplo, glicoproteína P), aumentando o potencial de IMs com medicamentos comumente utilizados. No entanto, com monitoramento próximo e ajustes de dose ao usar produtos à base de cannabis em combinação com outros medicamentos, essas interações tornam-se, na maioria dos casos, manejáveis.

Um estudo de 2021 publicado no no AAPS avaliou em um modelo in vitro o potencial inibitório de 12 canabinoides no metabolismo de drogas mediado pelo CYP para prever a probabilidade de interações medicamentosas clinicamente significativas entre terapias à base de cannabis e medicamentos convencionais. O efeito mais relevante ocorreu sobre CYP2C9, onde os canabinoides inibiram o metabolismo em concentrações provavelmente clinicamente relevantes, o que pode se traduzir em interações medicamentosas in vivo significativas. 

Adaptado de Doohan et al. 2021.

Considerações práticas

Aqui estão alguns medicamentos comuns que podem interagir com canabinoides:

1. Medicamentos com índice terapêutico estreito: Um estudo listou 57 medicamentos prescritos com índice terapêutico estreito que podem ser potencialmente afetados pelo uso concomitante de canabinoides.

2. Medicamentos metabolizados por CYP3A4/2C19.

3. Antiepilépticos: Um estudo investigou as possíveis IMs entre o CBD e antiepilépticos, como o clobazam, e descobriu que o CBD pode aumentar as concentrações séricas desses medicamentos, levando a aumento de efeitos adversos.

4. Varfarina: Alguns estudos investigaram especificamente a interação de canabinoides com anticoagulantes, sendo a Varfarina o que requere mais atenção, pelo potencial aumento do índice internacional normalizado (INR).

5. Medicamentos que causam sedação: canabinoides podem potencializar a ação de drogas sedativas, como benzodiazepínicos.

Para minimizar possíveis IMs, os profissionais de saúde podem considerar as seguintes estratégias:

  • Revisar a literatura publicada sobre interações medicamentosas.
  • Monitorar os pacientes quanto a eventos adversos quando usam canabinoides em combinação com medicamentos convencionais.
  • Ajustar as doses de medicamentos em pacientes complexos (polifarmácia) para mitigar possíveis interações.
  • Atentar-se aos efeitos inibitórios dos canabinoides em enzimas metabólicas específicas para antecipar possíveis interações com agentes terapêuticos convencionais.

Em conclusão, a cannabis medicinal tem o potencial de interagir com outros medicamentos, especialmente aqueles metabolizados pelo sistema enzimático do citocromo P450. Ainda assim, o perfil de segurança dos canabinoides é bastante alto, especialmente nas doses mais comumente praticadas. Os profissionais de saúde devem estar cientes dessas interações e considerá-las ao prescrever cannabis medicinal.

Referências

  • Alsherbiny, M. and Li, C. (2018). Medicinal cannabis—potential drug interactions. Medicines, 6(1), 3. https://doi.org/10.3390/medicines6010003 
  • Antoniou, T., Bodkin, J., & Ho, J. (2020). Drug interactions with cannabinoids. Canadian Medical Association Journal, 192(9), E206-E206. https://doi.org/10.1503/cmaj.191097 
  • Brown JD, Winterstein AG. Potential Adverse Drug Events and Drug-Drug Interactions with Medical and Consumer Cannabidiol (CBD) Use. J Clin Med. 2019 Jul 8;8(7):989. doi: 10.3390/jcm8070989. PMID: 31288397; PMCID: PMC6678684.
  • Doohan PT, Oldfield LD, Arnold JC, Anderson LL. Cannabinoid Interactions with Cytochrome P450 Drug Metabolism: a Full-Spectrum Characterization. AAPS J. 2021 Jun 28;23(4):91. doi: 10.1208/s12248-021-00616-7. PMID: 34181150.
  • Gréger, J., Bates, V., Mechtler, L., & Gengo, F. (2019). A review of cannabis and interactions with anticoagulant and antiplatelet agents. The Journal of Clinical Pharmacology, 60(4), 432-438. https://doi.org/10.1002/jcph.1557 
  • Lowe, D., Sasiadek, J., Coles, A., & George, T. (2018). Cannabis and mental illness: a review. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 269(1), 107-120. https://doi.org/10.1007/s00406-018-0970-7 
  • MacCallum, C., Lo, L., & Boivin, M. (2021). “is medical cannabis safe for my patients?” a practical review of cannabis safety considerations. European Journal of Internal Medicine, 89, 10-18. https://doi.org/10.1016/j.ejim.2021.05.002 
  • Qian, Y., Gurley, B., & Markowitz, J. (2019). The potential for pharmacokinetic interactions between cannabis products and conventional medications. Journal of Clinical Psychopharmacology, 39(5), 462-471. https://doi.org/10.1097/jcp.0000000000001089 
  • Rong, C., Carmona, N., Lee, Y., Ragguett, R., Pan, Z., Rosenblat, J., … & Ho, R. (2017). Drug-drug interactions as a result of co-administering δ9-thc and cbd with other psychotropic agents. Expert Opinion on Drug Safety, 17(1), 51-54. https://doi.org/10.1080/14740338.2017.1397128

Escrito por: Leticia Dadalt, PhD: Bióloga, apaixonada pela ciência da vida, traz uma bagagem acadêmica robusta para a arena da educação canábica. Sua jornada é dedicada a compartilhar conhecimento, quebrar estigmas e abrir caminhos para que mais pessoas possam explorar os benefícios terapêuticos dessa planta incrível.

Com sede no Vale do Silício, somos líderes em biotecnologia para suplementação nutricional, com certificado de boas práticas em manipulação pela regulamentação dos Estados Unidos. 

Alopecia

A alopecia, ou queda de cabelo, é uma condição que afeta milhões de pessoas no mundo e impacta muito a autoestima. Estudos sugerem que o Sistema Endocanabinoide exerce um papel crucial no controle capilar, atuando através dos receptores CB1 e CB2 e também dos receptores TRPV e PPAR como moduladores do crescimento capilar, abrindo caminho para novas abordagens terapêuticas na alopecia.

Leia mais »

Câncer de Pele

O câncer de pele é uma condição preocupante e cada vez mais comum em todo o mundo. Caracterizado pelo crescimento anormal das células da pele, pode se manifestar de diversas formas, sendo os tipos mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele, destacando a importância da proteção solar e da realização de exames regulares da pele para detecção precoce. Embora geralmente tratável se diagnosticado cedo, o câncer de pele pode se tornar grave se não for tratado adequadamente, destacando a necessidade de conscientização e prevenção. Avanços recentes nas pesquisas apontam o sistema endocanabinoide como potencial alvo no combate ao mais agressivo dos cânceres de pele, o melanoma.

Leia mais »

Óleo de Semente de Cânhamo – Cuidado Natural com a Pele

O óleo de semente de cânhamo é uma fonte rica de ácidos graxos essenciais, incluindo ômega-3 e ômega-6, que podem beneficiar a saúde da pele. O óleo de semente de cânhamo pode ser utilizado como hidratante, adicionado a produtos de cuidados com a pele ou consumido como suplemento alimentar para melhorar a saúde da pele de dentro para fora.

Leia mais »