Explorando o Potencial da Terapia com Canabinoides para o Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Explorando o Potencial do Sistema Endocanabinoide no TEA. Pesquisas tem investigado o uso de canabinoides, como o CBD, como nova abordagem para sintomas do Transtorno do Espectro Autista.

O que é?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição neurodesenvolvimental complexa que apresenta desafios significativos na compreensão de suas causas subjacentes e no desenvolvimento de tratamentos eficazes. A heterogeneidade do TEA e sua apresentação variada entre os indivíduos exigem abordagens inovadoras para a terapia. Nos últimos anos, a pesquisa se voltou para o sistema endocanabinoide (SEC) e o potencial da terapia com canabinoides, particularmente com o canabidiol (CBD), como uma nova abordagem para abordar os sintomas principais e as comorbidades associadas ao TEA.

61 Estudos Primários

1 Meta-análises Clínicas

9 Ensaios humanos duplo-cegos

6 Ensaios clínicos humanos

36 Meta-análises/Revisões

8 Estudos em animais

1 Estudos laboratoriais

O Sistema Endocanabinoide e o TEA

O SEC, um sistema de sinalização composto por canabinoides endógenos e seus receptores, desempenha um papel crucial na manutenção da homeostase no corpo. Estudos recentes destacaram a desregulação do SEC em indivíduos com TEA. Notavelmente, crianças com autismo apresentam níveis sanguíneos mais baixos de anandamida (AEA), um endocanabinoide que influencia o humor, a percepção da dor e o comportamento social. Isso sugere uma possível ligação entre a disfunção do SEC e os déficits na comunicação social e interação observados no TEA.

Modulação da Neurobiologia para Benefícios Terapêuticos

Pesquisas demonstraram que o SEC desempenha um papel multifacetado na neurobiologia do TEA. A modulação do SEC pode impactar os sistemas de neurotransmissores, como os sistemas monoaminérgico e de ocitocina, que são fundamentais para o funcionamento social. Além disso, o envolvimento do SEC em processos como neuroinflamação, neurogênese e função cognitiva sugere seu potencial valor terapêutico para o tratamento do TEA.

Promessa do CBD no Tratamento do TEA

O canabidiol, um componente não psicoativo da cannabis, tem recebido atenção significativa por seu potencial terapêutico em várias condições médicas, incluindo epilepsia e transtornos de ansiedade. Estudos mostraram que o CBD pode modular o SEC, promovendo um estado de equilíbrio e potencialmente abordando a desregulação do SEC observada no TEA.

A segurança e a tolerabilidade do CBD estão bem estabelecidas, fornecendo tranquilidade para seu uso potencial no tratamento do TEA. Relatos destacam as propriedades anticonvulsivantes, ansiolíticas e anti-inflamatórias do CBD, oferecendo uma abordagem multifacetada para abordar os sintomas complexos do TEA. Além disso, a capacidade do CBD de mitigar comorbidades comuns, juntamente com os sintomas principais, destaca seu potencial para melhorar a qualidade de vida global dos indivíduos com TEA.

Superando os Desafios e Direções Futuras

Embora os resultados preliminares sejam promissores, é crucial enfatizar a necessidade de mais pesquisas antes que a terapia com canabinoides se torne um tratamento padrão para o TEA. Ensaios clínicos rigorosos envolvendo amostras maiores e mais homogêneas são necessários para validar a eficácia do CBD em populações diversas com TEA. Estudos de longo prazo lançarão luz sobre a sustentabilidade dos benefícios do CBD e possíveis interações com outros tratamentos.

Biomarcadores Responsivos a Canabinoides como Indicadores de Eficácia do Tratamento

Pesquisas recentes exploraram o uso de biomarcadores responsivos a canabinoides para avaliar o impacto do tratamento com cannabis medicinal em crianças com TEA. Biomarcadores baseados em lipídios salivares e indicadores metabólicos surgiram como ferramentas potenciais para avaliar os resultados do tratamento. Esses biomarcadores não apenas fornecem insights nas mudanças fisiológicas induzidas pela terapia com canabinoides, mas também oferecem um meio para avaliar objetivamente as melhorias em aspectos comportamentais, como a preferência de interação social.

Modulação Endocanabinoide de Traços Comuns em TEA

Um estudo de 2023 publicado na revista Nature explorou os efeitos distintos da anandamida e do 2-arachidonoylglicerol (2-AG) em traços semelhantes ao autismo dentro de um modelo genético de rato com autismo. O estudo buscou elucidar o papel da neurotransmissão endocanabinoide nesses traços. Ratos Fmr1-Δexon 8, um modelo validado de autismo, exibiram níveis reduzidos de anandamida no hipocampo e conteúdo aumentado de 2-AG na amígdala. Intrigantemente, a manipulação do tom endocanabinoide levou a resultados significativos. O aumento dos

 níveis de anandamida melhorou os déficits cognitivos, enquanto o bloqueio do sinal 2-AG na amígdala mitigou a sociabilidade alterada. Essas descobertas, observadas de maneira específica em regiões cerebrais, destacam o impacto sutil dos mecanismos endocanabinoides em fenótipos comportamentais relacionados ao TEA. Embora os mecanismos por trás dos benefícios dos compostos canabinoides em transtornos neurodesenvolvimentais ainda sejam amplamente desconhecidos, este estudo contribui com insights críticos para este campo em evolução.

Tratamento com Canabinoides para o Autismo: um Ensaio de Conceito

Em um ensaio randomizado envolvendo 150 indivíduos (idades de 5 a 21 anos) com TEA, a eficácia e a tolerabilidade de duas soluções de canabinoides orais foram investigadas em comparação com um placebo. Essas soluções incluíam um extrato de cannabis de planta inteira (BOL-DP-O-01-W) com uma proporção de 20:1 de CBD para THC e uma versão purificada (BOL-DP-O-01) com a mesma proporção. Durante 12 semanas, os participantes receberam canabinoides ou um placebo, seguido por um período de 4 semanas de eliminação e uma fase de cruzamento de 12 semanas. Embora as medidas de resultado primárias não tenham diferido significativamente entre os grupos, as melhorias no comportamento disruptivo foram notáveis – 49% com o extrato versus 21% com o placebo. Eventos adversos como sonolência e diminuição do apetite foram relatados em todos os grupos, sem problemas graves relacionados ao tratamento. Apesar das limitações, o estudo destaca a tolerabilidade dessas soluções ao longo de 3 meses e enfatiza a necessidade de mais pesquisas com canabinoides no tratamento do TEA.

Cannabis Rica em CBD para o TEA: Um Estudo Open-Label

Expandindo os benefícios potenciais da cannabis rica em CBD para crianças com TEA, um estudo publicado em Translational Psychiatry em 2022 investigou os efeitos de 6 meses de tratamento. Pesquisas anteriores se basearam em relatos parentais, carecendo de avaliações padronizadas. Usando ferramentas padronizadas, este estudo em rótulo aberto mensurou mudanças longitudinais nas habilidades de comunicação social e nos comportamentos restritos. Dos 110 participantes, 82 completaram o protocolo de tratamento. Embora nem todos os participantes tenham exibido melhora, melhorias significativas nas habilidades de comunicação social foram observadas por meio de avaliações padronizadas. Essa melhora foi mais pronunciada em participantes com sintomas iniciais mais graves.

Extratos de Cannabis Personalizados: Avançando o Tratamento do TEA

Em um estudo recente, 20 pacientes com sintomas de TEA passaram por tratamento individualizado usando extratos de cannabis de amplo espectro (ECEs). As dosagens de canabidiol (CBD) e tetraidrocanabinol (THC) foram ajustadas meticulosamente com base nas respostas de avaliações clínicas periódicas. Notavelmente, 80% dos pacientes receberam tratamento por um mínimo de seis meses. O estudo abrangeu uma pesquisa online abrangente que abordou sintomas principais e comórbidos, além de uma análise minuciosa dos registros clínicos dentro do espectro do autismo. Essa abordagem do mundo real lança luz sobre os amplos benefícios que os ECEs oferecem aos pacientes e suas famílias. O tratamento começou com ECEs ricos em CBD para 18 pacientes, com três incorporando doses baixas de ECEs ricos em THC para efeitos aprimorados. Dois pacientes utilizaram uma mistura de ECEs ricos em CBD e THC ao longo do tratamento. Resultados positivos foram observados para a maioria dos sintomas, com efeitos colaterais mínimos, confirmando a segurança e a tolerabilidade dessa abordagem. Adicionalmente, os ECEs demonstraram o potencial para tratar a alotriofagia (Pica) pela primeira vez, resultando na redução do uso de outros medicamentos na maioria dos casos. O estudo sugere diretrizes para regimes de dosagem personalizados, abrindo caminho para mais testes usando ECEs qualificados disponíveis localmente. Essa abordagem apresenta uma nova via para intervenções personalizadas.

Conclusão

A jornada para aproveitar o potencial da terapia com canabinoides para o TEA é marcada por descobertas empolgantes e pela promessa de tratamentos eficazes e bem tolerados. A participação intrincada do SEC na neurobiologia do autismo, aliada à capacidade do CBD de modular esse sistema, abre novas possibilidades para abordar os sintomas principais e os desafios associados enfrentados pelos indivíduos com TEA. Embora avanços significativos tenham sido feitos, incluindo resultados de estudos que destacam a superioridade dos extratos de amplo espectro no controle dos sintomas, que são frequentemente observados na prática clínica diária, o caminho à frente exige pesquisas rigorosas, incluindo ensaios clínicos e investigações de biomarcadores, para realizar todo o potencial da terapia com canabinoides em melhorar a vida daqueles que vivem com o TEA.

Referências

  • Aran, A., Harel, M., Cassuto, H., Polyansky, L., Schnapp, A., Wattad, N., Shmueli, D., Golan, D., & Castellanos, F. X. (2021). Cannabinoid treatment for autism: a proof-of-concept randomized trial. Molecular Autism, 12(1), 6. https://doi.org/10.1186/s13229-021-00420-2
  • Carreira, L. D., Matias, F. C., & Campos, M. G. (2022). Clinical Data on Cannabinoids: Translational Research in the Treatment of Autism Spectrum Disorders. Biomedicines, 10(4), 796. https://doi.org/10.3390/biomedicines10040796
  • Ferreira, L. F., Pathapati, N., Schultz, S. T., Nunn, M. C., Pierce, B. L., Sanchez, Y. R., Murrell, M. D., Ginsburg, B. C., Onaivi, E. S., & Gould, G. G. (2023). Acute cannabidiol treatment enhances social interaction in adult male mice. Advances in Drug and Alcohol Research, 3, 11163. https://doi.org/10.3389/adar.2023.11163
  • Hacohen, M., Stolar, O. E., Berkovitch, M., Elkana, O., Kohn, E., Hazan, A., Heyman, E., Sobol, Y., Waissengreen, D., Gal, E., & Dinstein, I. (2022). Children and adolescents with ASD treated with CBD-rich cannabis exhibit significant improvements particularly in social symptoms: an open label study. Translational Psychiatry, 12(1), 375. https://doi.org/10.1038/s41398-022-02104-8
  • Kwan Cheung, K. A., Mitchell, M. D., & Heussler, H. S. (2021). Cannabidiol and Neurodevelopmental Disorders in Children. Frontiers in Psychiatry, 12, 643442. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2021.643442
  • Pamplona, F. A., da Silva, L. R., & Coan, A. C. (2018). Potential Clinical Benefits of CBD-Rich Cannabis Extracts Over Purified CBD in Treatment-Resistant Epilepsy: Observational Data Meta-analysis. Frontiers in Neurology, 9. https://doi.org/10.3389/fneur.2018.00759
  • Russo, E. B. (2018). Cannabis Therapeutics and the Future of Neurology. Frontiers in Integrative Neuroscience, 12. https://doi.org/10.3389/fnint.2018.00051
  • Schiavi, S., Manduca, A., Carbone, E., Buzzelli, V., Rava, A., Feo, A., Ascone, F., Morena, M., Campolongo, P., Hill, M. N., & Trezza, V. (2023). Anandamide and 2-arachidonoylglycerol differentially modulate autistic-like traits in a genetic model of autism based on FMR1 deletion in rats. Neuropsychopharmacology, 48(5), 897-907. https://doi.org/10.1038/s41386-022-01279-7
  • Siani-Rose, M., Cox, S., Goldstein, B., Abrams, D., Taylor, M., & Kurek, I. (2023). Cannabis-Responsive Biomarkers: A Pharmacometabolomics-Based Application to Evaluate the Impact of Medical Cannabis Treatment on Children with Autism Spectrum Disorder. Cannabis and Cannabinoid Research, 8(1), 126-137. https://doi.org/10.1089/can.2021.0129
  • Siani-Rose, M., McKee, R., Cox, S., Goldstein, B., Abrams, D., Taylor, M., & Kurek, I. (2023). The Potential of Salivary Lipid-Based Cannabis-Responsive Biomarkers to Evaluate Medical Cannabis Treatment in Children with Autism Spectrum Disorder. Cannabis and Cannabinoid Research, 8(4), 642-656. https://doi.org/10.1089/can.2021.0224

Escrito por: Leticia Dadalt, PhD: Bióloga, apaixonada pela ciência da vida, traz uma bagagem acadêmica robusta para a arena da educação canábica. Sua jornada é dedicada a compartilhar conhecimento, quebrar estigmas e abrir caminhos para que mais pessoas possam explorar os benefícios terapêuticos dessa planta incrível.

Com sede no Vale do Silício, somos líderes em biotecnologia para suplementação nutricional, com certificado de boas práticas em manipulação pela regulamentação dos Estados Unidos. 

Alopecia

A alopecia, ou queda de cabelo, é uma condição que afeta milhões de pessoas no mundo e impacta muito a autoestima. Estudos sugerem que o Sistema Endocanabinoide exerce um papel crucial no controle capilar, atuando através dos receptores CB1 e CB2 e também dos receptores TRPV e PPAR como moduladores do crescimento capilar, abrindo caminho para novas abordagens terapêuticas na alopecia.

Leia mais »

Câncer de Pele

O câncer de pele é uma condição preocupante e cada vez mais comum em todo o mundo. Caracterizado pelo crescimento anormal das células da pele, pode se manifestar de diversas formas, sendo os tipos mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele, destacando a importância da proteção solar e da realização de exames regulares da pele para detecção precoce. Embora geralmente tratável se diagnosticado cedo, o câncer de pele pode se tornar grave se não for tratado adequadamente, destacando a necessidade de conscientização e prevenção. Avanços recentes nas pesquisas apontam o sistema endocanabinoide como potencial alvo no combate ao mais agressivo dos cânceres de pele, o melanoma.

Leia mais »

Óleo de Semente de Cânhamo – Cuidado Natural com a Pele

O óleo de semente de cânhamo é uma fonte rica de ácidos graxos essenciais, incluindo ômega-3 e ômega-6, que podem beneficiar a saúde da pele. O óleo de semente de cânhamo pode ser utilizado como hidratante, adicionado a produtos de cuidados com a pele ou consumido como suplemento alimentar para melhorar a saúde da pele de dentro para fora.

Leia mais »