Diabetes mellitus e Síndrome metabólica

Aprenda sobre o diabetes e a síndrome metabólica, suas causas e como a cannabis medicinal pode oferecer benefícios terapêuticos, auxiliando no controle glicêmico, neuroproteção e muito mais. Descubra o potencial dessa abordagem inovadora para a saúde!

O que é a Diabetes?

O diabetes mellitus é uma doença autoimune que causa o aumento dos níveis de glicose (açúcar) no sangue. O diabetes tipo 1 é a incapacidade do corpo de produzir insulina, enquanto o diabetes tipo 2 é a incapacidade do corpo de utilizar a insulina adequadamente, conhecida como resistência à insulina.

E a Síndrome Metabólica?

A famosa “pré-diabetes”, a síndrome metabólica é um conjunto de condições que ocorrem concomitantemente e aumentam o risco de doenças cardíacas, derrame e diabetes tipo 2. Ela é caracterizada por uma combinação de fatores, incluindo pressão alta, níveis elevados de açúcar no sangue, excesso de gordura corporal na região abdominal, níveis anormais de colesterol e resistência à insulina. A causa exata da síndrome metabólica é desconhecida, mas acredita-se que esteja relacionada a uma combinação de fatores genéticos e ambientais, incluindo obesidade, inatividade física e dieta inadequada. Os sintomas da síndrome metabólica podem incluir aumento da circunferência da cintura, pressão alta, níveis elevados de açúcar no sangue, níveis elevados de triglicerídeos e baixos níveis de colesterol HDL.

O sistema endocanabinoide (SEC) desempenha um papel importante no metabolismo, dismetabolismo e no microbioma intestinal, sendo assim um sistema-alvo novo e emergente no tratamento da síndrome metabólica e diabetes.

Já existem mais de setenta estudos examinando os constituintes da cannabis no tratamento do diabetes. Em conjunto, os dados sugerem que são vários os mecanismos pelos quais a modulação dos componentes do sistema endocanabinoide pode produzir efeitos terapêuticos relevantes, incluindo:

  • Melhora da função metabólica
  • Redução da resistência à insulina
  • Redução das taxas de obesidade
  • Melhora dos parâmetros lipídicos e glicêmicos
  • Redução da inflamação pancreática
  • Redução da disfunção autoimune
  • Propriedades antioxidantes
  • Redução de comorbidades diabéticas (como doenças cardíacas, obesidade, neuropatias)

Os ensaios clínicos em humanos focaram nos efeitos dos fitocanabinóide CBD e THCV e do consumo de proteína de cânhamo em pacientes diabéticos.

Os dados mais promissores estão em uma metanálise de 2020, que sugere que o THCV é o melhor candidato canabinoide para o diabetes e pode proporcionar benefícios terapêuticos aos pacientes. 

Um estudo duplo-cego em humanos com 62 indivíduos avaliou os efeitos do THCV e do CBD em diferentes proporções. Os principais achados foram que, comparado ao placebo, o THCV reduziu significativamente a glicose plasmática em jejum e melhorou a função das células beta pancreáticas, embora o HDL plasmático não tenha sido afetado. Comparado ao início do estudo (mas não ao placebo), o CBD reduziu a resistina e aumentou o peptídeo insulinotrópico dependente de glicose. O THCV pode representar um novo agente terapêutico no controle glicêmico em indivíduos com diabetes tipo 2, pois pode ajudar na neuroproteção, supressão do apetite e controle glicêmico, com um perfil de efeitos colaterais baixo.

Estudos animais vêm mostrando o papel protetor do CBD em diabetes, síndrome metabólica e comorbidades. Um estudo animal de 2016 mostrou que o tratamento experimental com CBD reduz a inflamação pancreática precoce no diabetes tipo 1 (redução nos marcadores de inflamação na microcirculação do pâncreas estudada por microscopia intravital).

Outros estudos pré-clínicos indicam que o CBD pode reduzir concentraçõies de TGO (transaminase oxalacética) e  TGP (transaminase pirúvica); reduzir a resposta cardiovascular aos modelos de estresse, desempenhando um papel positivo no coração e na vasculatura periférica e cerebral; melhorar parâmtros de ansiedade e depresssão em animais diabéticos. Os resultados de um estudo israelense de 2005 indicam que o CBD pode inibir e atrasar a insulite destrutiva e a produção de citocinas inflamatórias associadas ao Th1 em camundongos, resultando em uma incidência reduzida de diabetes, possivelmente por meio de um mecanismo imunomodulador que altera a resposta imune de uma dominância de Th1 para Th2.

Ainda, em um ensaio clínico em humanos, os participantes que consumiram 40g de proteína de cânhamo por dia durante apresentaram redução das concentrações de glicose e insulina pós-prandiais (de forma dependente da dose).

As evidências apontam o enorme potencial da cannabis medicinal em ajudar a tratar e previnir síndrome metabólica, diabetes e comorbidades. Entretanto, mais pesquisas são necessárias para se determinar a eficácia, segurança e dosagem adequada para cada caso. Por ora, o tratamento com cannabis não substitui o tratamento convencional. A moderação conjunta de estilo de vida, ajuste de vários fatores nutricionais, exercícios físicos adequados e o uso de terapêuticas adjuvantes baseadas em canabinóides podem ser estratégias valiosas.

Referências:

  • Abioye A, Ayodele O, Marinkovic A, Patidar R, Akinwekomi A, Sanyaolu A. Δ9-Tetrahydrocannabivarin (THCV): a commentary on potential therapeutic benefit for the management of obesity and diabetes. J Cannabis Res. 2020 Jan 31;2(1):6. doi: 10.1186/s42238-020-0016-7. PMID: 33526143; PMCID: PMC7819335.
  • Chaves YC, Genaro K, Crippa JA, da Cunha JM, Zanoveli JM. Cannabidiol induces antidepressant and anxiolytic-like effects in experimental type-1 diabetic animals by multiple sites of action. Metab Brain Dis. 2021 Apr;36(4):639-652. doi: 10.1007/s11011-020-00667-3. Epub 2021 Jan 19. PMID: 33464458.
  • Di Marzo V, Piscitelli F, Mechoulam R. Cannabinoids and endocannabinoids in metabolic disorders with focus on diabetes. Handb Exp Pharmacol. 2011;(203):75-104. doi: 10.1007/978-3-642-17214-4_4. PMID: 21484568.
  • Jadoon KA, Ratcliffe SH, Barrett DA, Thomas EL, Stott C, Bell JD, O’Sullivan SE, Tan GD. Efficacy and Safety of Cannabidiol and Tetrahydrocannabivarin on Glycemic and Lipid Parameters in Patients With Type 2 Diabetes: A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled, Parallel Group Pilot Study. Diabetes Care. 2016 Oct;39(10):1777-86. doi: 10.2337/dc16-0650. Epub 2016 Aug 29. PMID: 27573936.
  • Lehmann C, Fisher NB, Tugwell B, Szczesniak A, Kelly M, Zhou J. Experimental cannabidiol treatment reduces early pancreatic inflammation in type 1 diabetes. Clin Hemorheol Microcirc. 2016;64(4):655-662. doi: 10.3233/CH-168021. PMID: 27767974.
  • Mollard RC, Johnston A, Serrano Leon A, Wang H, Jones PJ, MacKay DS. Acute effects of hemp protein consumption on glycemic and satiety control: results of 2 randomized crossover trials. Appl Physiol Nutr Metab. 2021 Aug;46(8):887-896. doi: 10.1139/apnm-2020-0907. Epub 2021 Jan 25. PMID: 33493023.
  • Weiss L, Zeira M, Reich S, Slavin S, Raz I, Mechoulam R, Gallily R. Cannabidiol arrests onset of autoimmune diabetes in NOD mice. Neuropharmacology. 2008 Jan;54(1):244-9. doi: 10.1016/j.neuropharm.2007.06.029. Epub 2007 Jul 17. PMID: 17714746; PMCID: PMC2270485.
  • Zorzenon MRT, Santiago AN, Mori MA, Piovan S, Jansen CA, Perina Padilha ME, Ciotta SR, Cezar de Freitas Mathias P, Guimarães FS, Weffort de Oliveira RM, Milani PG, Mareze-Costa CE. Cannabidiol improves metabolic dysfunction in middle-aged diabetic rats submitted to a chronic cerebral hypoperfusion. Chem Biol Interact. 2019 Oct 1;312:108819. doi: 10.1016/j.cbi.2019.108819. Epub 2019 Sep 6. PMID: 31499052.

Escrito por: Leticia Dadalt, PhD: Bióloga, apaixonada pela ciência da vida, traz uma bagagem acadêmica robusta para a arena da educação canábica. Sua jornada é dedicada a compartilhar conhecimento, quebrar estigmas e abrir caminhos para que mais pessoas possam explorar os benefícios terapêuticos dessa planta incrível.

Com sede no Vale do Silício, somos líderes em biotecnologia para suplementação nutricional, com certificado de boas práticas em manipulação pela regulamentação dos Estados Unidos. 

Alopecia

A alopecia, ou queda de cabelo, é uma condição que afeta milhões de pessoas no mundo e impacta muito a autoestima. Estudos sugerem que o Sistema Endocanabinoide exerce um papel crucial no controle capilar, atuando através dos receptores CB1 e CB2 e também dos receptores TRPV e PPAR como moduladores do crescimento capilar, abrindo caminho para novas abordagens terapêuticas na alopecia.

Leia mais »

Câncer de Pele

O câncer de pele é uma condição preocupante e cada vez mais comum em todo o mundo. Caracterizado pelo crescimento anormal das células da pele, pode se manifestar de diversas formas, sendo os tipos mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele, destacando a importância da proteção solar e da realização de exames regulares da pele para detecção precoce. Embora geralmente tratável se diagnosticado cedo, o câncer de pele pode se tornar grave se não for tratado adequadamente, destacando a necessidade de conscientização e prevenção. Avanços recentes nas pesquisas apontam o sistema endocanabinoide como potencial alvo no combate ao mais agressivo dos cânceres de pele, o melanoma.

Leia mais »

Óleo de Semente de Cânhamo – Cuidado Natural com a Pele

O óleo de semente de cânhamo é uma fonte rica de ácidos graxos essenciais, incluindo ômega-3 e ômega-6, que podem beneficiar a saúde da pele. O óleo de semente de cânhamo pode ser utilizado como hidratante, adicionado a produtos de cuidados com a pele ou consumido como suplemento alimentar para melhorar a saúde da pele de dentro para fora.

Leia mais »