Cannabis no Câncer de Mama: Explorando o Potencial Terapêutico e Aliviando os Efeitos Colaterais do Tratamento

O câncer de mama exige diagnóstico precoce e tratamentos variados. A pesquisa do potencial da cannabis no tratamento, relacionada ao sistema endocanabinoide, está em progresso para ajudar no tratamento e a combater a doença.

O câncer de mama é o tumor maligno mais comum diagnosticado em mulheres em todo o mundo e a principal causa de morte por tumores malignos. O diagnóstico precoce desempenha um papel crucial no manejo eficaz das pacientes com câncer de mama, que atualmente é alcançado por meio de imagens diagnósticas e biópsia. As estratégias de tratamento variam dependendo do subtipo molecular, e o tratamento moderno inclui uma combinação de cirurgia, radioterapia e terapia medicamentosa. Apesar dos avanços na detecção e tratamento, a incidência do câncer de mama continua aumentando em todo o mundo. Portanto, há a necessidade de explorar novos métodos terapêuticos e fatores preditivos e prognósticos para combater a doença.

A exploração científica do potencial da cannabis no tratamento do câncer de mama começa com o sistema endocanabinoide (SEC), uma complexa rede de receptores, canabinoides endógenos e enzimas envolvidas na regulação de diversos processos fisiológicos, incluindo o crescimento celular e a resposta imunológica. A pesquisa sobre o uso da cannabis e do sistema endocanabinoide no câncer de mama está em andamento.

Estudos pré-clínicos sugerem que os canabinoides podem ter propriedades antitumorais em diferentes subtipos de câncer de mama. Essas propriedades abrangem uma variedade de efeitos, incluindo a modulação da progressão do ciclo celular do câncer, a indução da apoptose (morte celular programada), a inibição da migração das células cancerosas, a regulação da expressão genética e até mesmo a interferência na angiogênese – o processo pelo qual os tumores estabelecem seu suprimento sanguíneo. Essas interações são complexas e dependem do tipo de tumor e do componente específico do SEC que eles atingem.

Os ensaios clínicos que investigam os canabinoides como agentes anticancerígenos estão em andamento, lançando luz sobre as complexidades, segurança e eficácia desses compostos em pacientes com câncer de mama. No entanto, é essencial reconhecer que mais pesquisas são necessárias.

Aliviando os Efeitos Colaterais do Tratamento do Câncer

Os desafios associados ao tratamento do câncer, como a quimioterapia e a radioterapia, frequentemente se manifestam em efeitos colaterais debilitantes, incluindo dor, náuseas e vômitos.

A cannabis tem sido usada como remédio para náuseas e vômitos em muitas tradições de cura ao longo da história. Ao longo das últimas cinco décadas, a pesquisa científica tem apontado para a validação desse uso dos constituintes da planta. O canabidiol (CBD) e o delta-9-tetraidrocanabinol (THC), entre outros compostos, têm mostrado grande potencial em proporcionar alívio da dor, náuseas e vômitos em pacientes com câncer em tratamento. Esses efeitos envolvem principalmente a interação entre os canabinoides e receptores específicos, incluindo CB1, 5-HT1A e TRPV1. O cenário terapêutico se expande quando se considera o efeito entourage, onde extratos de plantas inteiras exibem maior eficácia do que canabinoides isolados. Esse fenômeno sugere que a presença de outros constituintes da planta aumenta o potencial terapêutico dos canabinoides.

Uma revisão abrangente publicada em “Current Treatment Options in Oncology” destacou os benefícios potenciais do CBD como um medicamento de cuidados de suporte no câncer, enfatizando sua eficácia em aliviar esses sintomas debilitantes. Além disso, a cannabis pode ajudar no enfrentamento da ansiedade, depressão e insônia, que provavelmente estão presentes na vida daqueles que lutam contra o câncer.

O uso da cannabis no tratamento do câncer exige cautela e diálogo aberto entre pacientes e profissionais de saúde. As possíveis interações com outros medicamentos ressaltam a necessidade de decisões informadas e supervisão médica próxima. Sempre informe e discuta seu uso ou desejo de usar cannabis com seu médico.

Referências

  • Almeida, C. F., Teixeira, N., Correia-da-Silva, G., & Amaral, C. (2021). Cannabinoids in Breast Cancer: Differential Susceptibility According to Subtype. Molecules, 27(1), 156. (https://doi.org/10.3390/molecules27010156).
  • Belingeri, M. S., & Caltana, L. R. (2021). Cannabinoids and Breast Cancer. In Discovery and Development of Anti-Breast Cancer Agents From Natural Products (pp. 103-122). (https://doi.org/10.1016/B978-0-12-821277-6.00005-2).
  • Guggisberg, J., Schumacher, M., Gilmore, G., & Zylla, D. M. (2022). Cannabis as an Anticancer Agent: A Review of Clinical Data and Assessment of Case Reports. Cannabis Cannabinoid Res, 7(1), 24-33. (https://doi.org/10.1089/can.2021.0045).
  • Mangal, N., Erridge, S., Habib, N., et al. (2021). Cannabinoids in the Landscape of Cancer. J Cancer Res Clin Oncol, 147, 2507–2534. (https://doi.org/10.1007/s00432-021-03710-7).
  • Moreno, E., Cavic, M., Krivokuca, A., Canela, E. I., & Casadó, V. (2019). The Endocannabinoid System as a Target in Cancer Diseases: Are We There Yet? Frontiers in Pharmacology, 10, 445673. (https://doi.org/10.3389/fphar.2019.00339).
  • Moreno, E., Cavic, M., Krivokuca, A., Canela, E. I. (2020). The Interplay between Cancer Biology and the Endocannabinoid System-Significance for Cancer Risk, Prognosis and Response to Treatment. Cancers (Basel), 12(11), 3275. (https://doi.org/10.3390/cancers12113275).
  • Schoeman, R., de la Harpe, A., Beukes, N., & Frost, C. L. (2022). Cannabis with breast cancer treatment: propitious or pernicious? 3 Biotech, 12(2), 54. (https://doi.org/10.1007/s13205-021-03102-1).
  • Smolarz, B., Nowak, A. Z., & Romanowicz, H. (2022). Breast Cancer-Epidemiology, Classification, Pathogenesis and Treatment (Review of Literature). Cancers (Basel), 14(10), 2569. (https://doi.org/10.3390/cancers14102569).

Escrito por: Leticia Dadalt, PhD: Bióloga, apaixonada pela ciência da vida, traz uma bagagem acadêmica robusta para a arena da educação canábica. Sua jornada é dedicada a compartilhar conhecimento, quebrar estigmas e abrir caminhos para que mais pessoas possam explorar os benefícios terapêuticos dessa planta incrível.

Com sede no Vale do Silício, somos líderes em biotecnologia para suplementação nutricional, com certificado de boas práticas em manipulação pela regulamentação dos Estados Unidos. 

Alopecia

A alopecia, ou queda de cabelo, é uma condição que afeta milhões de pessoas no mundo e impacta muito a autoestima. Estudos sugerem que o Sistema Endocanabinoide exerce um papel crucial no controle capilar, atuando através dos receptores CB1 e CB2 e também dos receptores TRPV e PPAR como moduladores do crescimento capilar, abrindo caminho para novas abordagens terapêuticas na alopecia.

Leia mais »

Câncer de Pele

O câncer de pele é uma condição preocupante e cada vez mais comum em todo o mundo. Caracterizado pelo crescimento anormal das células da pele, pode se manifestar de diversas formas, sendo os tipos mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele, destacando a importância da proteção solar e da realização de exames regulares da pele para detecção precoce. Embora geralmente tratável se diagnosticado cedo, o câncer de pele pode se tornar grave se não for tratado adequadamente, destacando a necessidade de conscientização e prevenção. Avanços recentes nas pesquisas apontam o sistema endocanabinoide como potencial alvo no combate ao mais agressivo dos cânceres de pele, o melanoma.

Leia mais »

Óleo de Semente de Cânhamo – Cuidado Natural com a Pele

O óleo de semente de cânhamo é uma fonte rica de ácidos graxos essenciais, incluindo ômega-3 e ômega-6, que podem beneficiar a saúde da pele. O óleo de semente de cânhamo pode ser utilizado como hidratante, adicionado a produtos de cuidados com a pele ou consumido como suplemento alimentar para melhorar a saúde da pele de dentro para fora.

Leia mais »