Cannabis na Pediatria: Uma Jornada de Esperança

A pesquisa com cannabis continua a evoluir, promovendo um futuro promissor para crianças com condições raras e desafiadoras. O uso de medicamentos à base de CBD tem resultados transformadores no tratamento da epilepsia refratária em crianças, com raízes nos esforços pioneiros de pesquisadores nas décadas de 1970.

A busca por tratamentos inovadores e eficazes para doenças neurológicas raras da infância alavancou o uso de medicamentos à base de cannabis em crianças. Atualmente, a epilepsia refratária é a aplicação de cannabidiol (CBD) mais consolidada em estudos, com resultados transformadores.

A história da aplicação da cannabis na neurologia pediátrica tem uma história rica. No início da década de 1970, o pesquisador israelense Dr. Raphael Mechoulam, considerado o “pai da cannabis”, uniu forças ao cientista brasileiro Dr. Elisaldo Carlini e juntos, realizaram pesquisas pioneiras sobre as propriedades anti-convulsivas do CBD. Seus esforços colaborativos proporcionaram insights iniciais sobre o potencial do CBD como agente anticonvulsivante, preparando o terreno para investigações posteriores.

Um capítulo tocante nessa jornada é a história de Charlotte Figi, uma jovem que lutava contra a síndrome de Dravet – uma forma grave e rara de epilepsia pediátrica – que comoveu pessoas em diversos lugares do mundo. A notável resposta da pequena Charlotte ao tratamento com CBD (ela foi de centenas de convulsões semanais poucos episódios mensais) tornou-se um símbolo de esperança e um catalisador para pesquisas adicionais. Sua história serviu como um lembrete contundente da necessidade de investigação científica rigorosa sobre a eficácia e a segurança do CBD como possível tratamento para essas condições.

Em 2018, a FDA deu sinal verde ao Epidiolex, uma formulação farmacêutica de CBD, para o tratamento de convulsões em crianças com síndrome de Dravet, síndrome de Lennox-Gastaut e esclerose tuberosa. Os ensaios clínicos do Epidiolex demonstraram uma redução significativa na frequência mensal de convulsões em comparação com os grupos de placebo, com efeitos adversos mínimos relatados. Essa aprovação não apenas representou um avanço nos tratamentos baseados em CBD, mas também lançou as bases para investigações posteriores sobre o potencial da cannabis na neurologia.

As pesquisas continuaram a demonstrar a eficácia da cannabis para essas condições. Uma revisão sistemática e meta-análise de 2023 mostrou que o CBD é altamente eficaz tanto como terapia isolada quanto como terapia adjunta com clobazam no controle de convulsões em condições como a síndrome de Dravet, síndrome de Lennox-Gastaut e esclerose tuberosa, com poucos efeitos colaterais.

Os mecanismos subjacentes à redução da atividade convulsiva nesses síndromes neurológicas após o tratamento com CBD ainda não são completamente compreendidos, embora seja bastante provável que sejam multifatoriais. É amplamente aceito que o sistema endocanabinoide desempenha um papel vital no desenvolvimento e no bom funcionamento do sistema nervoso. Estudos têm mostrado que existem várias vias de sinalização que envolvem neurotransmissores e o sistema endocanabinoide, por meio das quais os canabinoides podem ter efeitos terapêuticos. Ainda necessitamos de investigações farmacodinâmicas adicionais das ações de medicamentos derivados do cannabis, avaliações de interações medicamentosas e diretrizes de manejo terapêutico, mas de modo geral se trata de uma abordagem bastante segura, especialmente quando comparada aos tratamentos convencionais.

Além do controle de convulsões, a pesquisa aponta para o amplo espectro de benefícios possíveis da cannabis para crianças.

Pesquisadores estão explorando vários alvos neurológicos em crianças que podem ser tratados com cannabis, com foco no CBD. Estudos sugerem que o CBD tem eficácia significativa como agente anti-inflamatório, antipsicótico, neuroprotetor, antidepressivo, analgésico e até antioxidante. A pesquisa atualmente indica várias possíveis formas de interação do CBD com o cérebro para promover mudanças terapêuticas. Vários ensaios clínicos e estudos pré-clínicos estão em andamento para fornecer mais respostas acerca do uso clínico adequado do CBD em pacientes infantis e jovens.

Um ensaio aberto sugeriu que o CBD pode ter efeitos benéficos adicionais na qualidade de vida dos pacientes, distintos de suas propriedades anti-convulsivas. Isso se alinha com um estudo de revisão sobre crianças com epilepsias graves tratadas com preparações artesanais de CBD, onde foi relatada melhora no humor, comportamento, linguagem, alerta e sono da maioria dos pacientes.

A Síndrome do Espectro Autista (TEA) representa um foco atual importante. O sistema endocanabinoide desempenha um papel fundamental no neurodesenvolvimento, bem como em respostas inflamatórias normais, e não surpreende que muitos estudos pré-clínicos e clínicos considerem as alterações na sinalização endocanabinoide no TEA. Pesquisas demonstraram que os fitocanabinoides podem ser eficazes na redução de alguns dos sintomas do TEA, como dificuldades na interação social e na comunicação, hiperatividade, ansiedade e distúrbios do sono. Alguns estudos têm demonstrado melhora significativa no comportamento e nos sintomas em pacientes que usam cannabis medicinal, com 61-93% dos participantes apresentando benefícios. Essas descobertas abrem novos caminhos para aprimorar a vida de crianças com TEA.

A cannabis demonstrou também promessa no tratamento de outras patologias em pacientes pediátricos, incluindo a síndrome do X frágil, a síndrome de Tourette, o Transtorno do Espectro Alcoólico Fetal, Epidermólise Bolhosa e a ansiedade. Ensaios e investigações em andamento indicam o potencial multifacetado da cannabis no gerenciamento dessas condições. Por exemplo, o CBD pode ajudar a aliviar os sintomas de ansiedade em crianças, melhorando também sua função cognitiva e reduzindo os níveis de hiperatividade. Da mesma forma, pode reduzir de forma eficaz tiques e outros sintomas comportamentais associados à síndrome de Tourette. Além disso, o CBD mostrou potencial para melhorar as habilidades sociais e de comunicação de crianças com síndrome de X frágil. Essas descobertas sugerem que o CBD pode ser uma opção de tratamento valiosa para uma ampla gama de condições neurológicas pediátricas.

Conforme a jornada continua, a pesquisa com cannabis vai aumentando o leque de benefícios potenciais, mas também exige uma análise detalhada da segurança e do uso a longo prazo. Portanto, a pesquisa contínua é imperativa.

No mundo da neurologia pediátrica, a jornada histórica da cannabis é marcada pela colaboração, resiliência e esperança. Desde o trabalho pioneiro de Dr. Mechoulam e Dr. Carlini até a aprovação do Epidiolex e a expansão de horizontes no tratamento de várias condições, continuamos a evoluir, oferecendo um futuro mais promissor para crianças que enfrentam distúrbios raros e desafiadores.

Referências:

  • Anderson, C. L., & Carney, P. R. (2021). Cannabidiol – A new fixture in childhood neurology. Current Opinion in Pharmacology, 61, 142–146. https://doi.org/10.1016/J.COPH.2021.10.002
  • Aran, A., Cassuto, H., Lubotzky, A., Wattad, N., & Hazan, E. (2019). Brief Report: Cannabidiol-Rich Cannabis in Children with Autism Spectrum Disorder and Severe Behavioral Problems—A Retrospective Feasibility Study. Journal of Autism and Developmental Disorders, 49(3), 1284–1288. https://doi.org/10.1007/S10803-018-3808-2
  • Bar-Lev Schleider, L., Mechoulam, R., Saban, N., Meiri, G., & Novack, V. (2019). Real life Experience of Medical Cannabis Treatment in Autism: Analysis of Safety and Efficacy. Scientific Reports, 9(1). https://doi.org/10.1038/S41598-018-37570-Y
  • Barchel, D., Stolar, O., De-Haan, T., Ziv-Baran, T., Saban, N., Fuchs, D. O., … Berkovitch, M. (2019). Oral cannabidiol use in children with autism spectrum disorder to treat related symptoms and Co-morbidities. Frontiers in Pharmacology, 9(JAN). https://doi.org/10.3389/FPHAR.2018.01521
  • da Silva Rodrigues, D., Santos Bastos Soares, A., & Dizioli Franco Bueno, C. (2023). The use of cannabinoids in children with epilepsy: A systematic review. Epilepsy & Behavior : E&B, 145. https://doi.org/10.1016/J.YEBEH.2023.109330
  • Efron, D., & Freeman, J. (2018). Medical cannabis for paediatric developmental–behavioural and psychiatric disorders. Journal of Paediatrics and Child Health, 54(7), 715–717. https://doi.org/10.1111/JPC.13902
  • Efron, D., & Taylor, K. (2023). Medicinal Cannabis for Paediatric Developmental, Behavioural and Mental Health Disorders. International Journal of Environmental Research and Public Health, 20(8). https://doi.org/10.3390/IJERPH20085430/S1
  • Efron, D., Taylor, K., Payne, J. M., Freeman, J. L., Cranswick, N., Mulraney, M., … Williams, K. (n.d.). Does cannabidiol reduce severe behavioural problems in children with intellectual disability? Study protocol for a pilot single-site phase I/II randomised placebo controlled trial. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2019-034362
  • Elliott, J., DeJean, D., Clifford, T., Coyle, D., Potter, B. K., Skidmore, B., … Wells, G. A. (2019). Cannabis-based products for pediatric epilepsy: A systematic review. Epilepsia, 60(1), 6–19. https://doi.org/10.1111/EPI.14608
  • Fletcher, S., Pawliuk, C., Ip, A., Huh, L., Rassekh, S. R., Oberlander, T. F., & Siden, H. (2022). Medicinal cannabis in children and adolescents with autism spectrum disorder: A scoping review. Child: Care, Health and Development, 48(1), 33–44. https://doi.org/10.1111/CCH.12909
  • Kwan Cheung, K. A., Mitchell, M. D., & Heussler, H. S. (2021). Cannabidiol and Neurodevelopmental Disorders in Children. Frontiers in Psychiatry, 12, 643442. https://doi.org/10.3389/FPSYT.2021.643442
  • Pawliuk, C., Chau, B., Rassekh, S. R., McKellar, T., & Siden, H. (2021). Efficacy and safety of paediatric medicinal cannabis use: A scoping review. Paediatrics & Child Health, 26(4), 228–233. https://doi.org/10.1093/PCH/PXAA031
    Treves, N., Mor, N., Allegaert, K., Bassalov, H., Berkovitch, M., Stolar, O. E., & Matok, I. (123AD). Efficacy and safety of medical cannabinoids in children: a systematic review and meta-analysis. Scientific Reports |, 11, 23462. https://doi.org/10.1038/s41598-021-02770-6

Escrito por: Leticia Dadalt, PhD: Bióloga, apaixonada pela ciência da vida, traz uma bagagem acadêmica robusta para a arena da educação canábica. Sua jornada é dedicada a compartilhar conhecimento, quebrar estigmas e abrir caminhos para que mais pessoas possam explorar os benefícios terapêuticos dessa planta incrível.

Com sede no Vale do Silício, somos líderes em biotecnologia para suplementação nutricional, com certificado de boas práticas em manipulação pela regulamentação dos Estados Unidos. 

Alopecia

A alopecia, ou queda de cabelo, é uma condição que afeta milhões de pessoas no mundo e impacta muito a autoestima. Estudos sugerem que o Sistema Endocanabinoide exerce um papel crucial no controle capilar, atuando através dos receptores CB1 e CB2 e também dos receptores TRPV e PPAR como moduladores do crescimento capilar, abrindo caminho para novas abordagens terapêuticas na alopecia.

Leia mais »

Câncer de Pele

O câncer de pele é uma condição preocupante e cada vez mais comum em todo o mundo. Caracterizado pelo crescimento anormal das células da pele, pode se manifestar de diversas formas, sendo os tipos mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele, destacando a importância da proteção solar e da realização de exames regulares da pele para detecção precoce. Embora geralmente tratável se diagnosticado cedo, o câncer de pele pode se tornar grave se não for tratado adequadamente, destacando a necessidade de conscientização e prevenção. Avanços recentes nas pesquisas apontam o sistema endocanabinoide como potencial alvo no combate ao mais agressivo dos cânceres de pele, o melanoma.

Leia mais »

Óleo de Semente de Cânhamo – Cuidado Natural com a Pele

O óleo de semente de cânhamo é uma fonte rica de ácidos graxos essenciais, incluindo ômega-3 e ômega-6, que podem beneficiar a saúde da pele. O óleo de semente de cânhamo pode ser utilizado como hidratante, adicionado a produtos de cuidados com a pele ou consumido como suplemento alimentar para melhorar a saúde da pele de dentro para fora.

Leia mais »