Cannabis e ELA: Explorando os Potenciais Benefícios Terapêuticos

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), ou doença de Lou Gehrig, é um distúrbio neurodegenerativo que afeta as células nervosas do movimento muscular voluntário. Não há cura para a ELA, mas os tratamentos existentes visam aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida. A cannabis tem sido estudada como um possível tratamento adjuvante para a ELA, com resultados preliminares sugerindo benefícios para os pacientes. No entanto, mais pesquisas são necessárias para confirmar esses efeitos.

Introdução:

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig, é um distúrbio neurodegenerativo progressivo que afeta as células nervosas responsáveis pelo movimento muscular voluntário. Até o momento, não há cura conhecida para a ELA. Os tratamentos disponíveis estão focados em aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Nos últimos anos, tem havido um interesse crescente em explorar os potenciais benefícios terapêuticos da cannabis como tratamento adjuvante para a ELA. Embora a pesquisa ainda esteja em estágios iniciais e inconclusiva, descobertas preliminares sugerem que a cannabis pode oferecer efeitos positivos para os pacientes com ELA.

Abordando os Sintomas da ELA:

Um dos aspectos mais promissores da cannabis como tratamento potencial para a ELA é sua capacidade de abordar vários sintomas associados à doença. A cannabis tem propriedades como analgesia, relaxamento muscular, broncodilatação, redução da salivação, estímulo do apetite e indução do sono, podendo beneficiar muito os pacientes com ELA [5]. Essas propriedades de controle de sintomas podem ajudar a aliviar a dor, reduzir a espasticidade, controlar o excesso de saliva, estimular o apetite e melhorar a qualidade do sono, resultando em uma melhoria geral na qualidade de vida dos pacientes [8][9].

Efeitos Antioxidantes, Anti-inflamatórios e Neuroprotetores:

Os fitocanabinoides já demonstraram possuir efeitos antioxidantes, anti-inflamatórios e neuroprotetores [6]. Essas propriedades são particularmente relevantes para a ELA, pois a doença envolve estresse oxidativo, inflamação e danos progressivos aos neurônios motores. Estudos pré-clínicos em modelos animais de ELA demonstraram que tratamentos baseados em cannabis podem fornecer neuroproteção, retardar o início da doença e desacelerar sua progressão [7]. Embora essas descobertas sejam promissoras, mais pesquisas são necessárias para entender completamente os mecanismos subjacentes a esses efeitos e avaliar seu potencial em pacientes humanos com ELA.

Pesquisas de Pacientes e Observações:

Embora os ensaios clínicos que investigam o uso de medicamentos à base de cannabis especificamente para controlar a progressão da ELA sejam limitados, pesquisas com pacientes e evidências anedóticas sugerem que a cannabis medicinal pode fornecer alívio terapêutico para os sintomas da ELA [3]. Essas observações, embora ainda não conclusivas, indicam que a cannabis pode ser uma terapia adjuvante valiosa para o gerenciamento dos sintomas da ELA e para melhorar o dia-a-dia dos pacientes.

Conclusão:

O uso da cannabis como tratamento adjuvante para a ELA apresenta promessa, principalmente devido às suas propriedades de controle de sintomas e potenciais efeitos neuroprotetores. Embora estudos pré-clínicos e pesquisas com pacientes sugiram benefícios terapêuticos, ainda faltam evidências conclusivas sobre a eficácia e segurança da cannabis na ELA. Portanto, é importante que profissionais de saúde, pacientes e aqueles interessados na cannabis medicinal reconheçam a necessidade de mais pesquisas rigorosas e ensaios clínicos para obter uma compreensão mais clara do papel potencial da cannabis no tratamento da ELA. Através de uma investigação científica contínua, podemos descobrir novas abordagens para melhorar a vida dos pacientes com ELA e, potencialmente, retardar a progressão dessa doença devastadora.

Citações

[1] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20439484/

[2] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5270417/

[3] https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphar.2022.881810/full

[4] https://www.als.net/news/cannabis-for-als-more-science-is-needed-but-some-say-it-offers-relief/

[5] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30520038/

[6] https://alsnewstoday.com/cannabis/

[7] https://alsworldwide.org/care-and-support/article/medical-marijuana

[8] https://crossvalleyhealth.com/medical-marijuana-certification/medical-marijuana-for-als/

[9] https://bpspubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/bph.15386

Escrito por: Leticia Dadalt, PhD: Bióloga, apaixonada pela ciência da vida, traz uma bagagem acadêmica robusta para a arena da educação canábica. Sua jornada é dedicada a compartilhar conhecimento, quebrar estigmas e abrir caminhos para que mais pessoas possam explorar os benefícios terapêuticos dessa planta incrível.

Com sede no Vale do Silício, somos líderes em biotecnologia para suplementação nutricional, com certificado de boas práticas em manipulação pela regulamentação dos Estados Unidos. 

Alopecia

A alopecia, ou queda de cabelo, é uma condição que afeta milhões de pessoas no mundo e impacta muito a autoestima. Estudos sugerem que o Sistema Endocanabinoide exerce um papel crucial no controle capilar, atuando através dos receptores CB1 e CB2 e também dos receptores TRPV e PPAR como moduladores do crescimento capilar, abrindo caminho para novas abordagens terapêuticas na alopecia.

Leia mais »

Câncer de Pele

O câncer de pele é uma condição preocupante e cada vez mais comum em todo o mundo. Caracterizado pelo crescimento anormal das células da pele, pode se manifestar de diversas formas, sendo os tipos mais comuns o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. A exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele, destacando a importância da proteção solar e da realização de exames regulares da pele para detecção precoce. Embora geralmente tratável se diagnosticado cedo, o câncer de pele pode se tornar grave se não for tratado adequadamente, destacando a necessidade de conscientização e prevenção. Avanços recentes nas pesquisas apontam o sistema endocanabinoide como potencial alvo no combate ao mais agressivo dos cânceres de pele, o melanoma.

Leia mais »

Óleo de Semente de Cânhamo – Cuidado Natural com a Pele

O óleo de semente de cânhamo é uma fonte rica de ácidos graxos essenciais, incluindo ômega-3 e ômega-6, que podem beneficiar a saúde da pele. O óleo de semente de cânhamo pode ser utilizado como hidratante, adicionado a produtos de cuidados com a pele ou consumido como suplemento alimentar para melhorar a saúde da pele de dentro para fora.

Leia mais »